Google+ Followers

porque convergimos e integramos com AMOR, VERDADE, RETIDÃO, PAZ E NÃO-VIOLÊNCIA

dedicamos este espaço a todos que estão na busca de agregar idéias sobre a condição humana no mundo contemporâneo, através de uma perspectiva holística, cujos saberes oriundos da filosofia, ciência e espiritualidade nunca são divergentes; pelo contrário exige-nos uma postura convergente àquilo que nos move ao conhecimento do homem e das coisas.
Acredito que quanto mais profundos estivermos em nossas buscas de respostas da consciência melhor será para alcançarmos níveis de entendimento de quem somos nós e qual o propósito que precisaremos dar as nossas consciências e energias objetivas e sutis para se cumprir o projeto de realização holística, feliz, transcendente, consciente e Amorosa.

"Trata-se do sentido da unidade das coisas: homem e natureza, consciência e matéria, interioridade e exterioridade, sujeito e objeto; em suma, a percepção de que tudo isso pode ser reconciliado. Na verdade, nunca aceitei sua separatividade, e minha vida - particular e profissional - foi dedicada a explorar sua unidade numa odisseia espiritual". Renée Weber

PORTANTO, CONVERGIR E INTEGRAR TUDO - TUDO MESMO! NAS TRÊS DIMENSÕES:ESPIRITUAL-SOCIAL-ECOLÓGICO

O cientista (psicólogo e reitor da Universidade Holística - UNIPAZ) PIERRE WEIL (1989) aponta os seguintes elementos para a falta de convergência e integração da consciência humana em geral: "A filosofia afastou-se da tradição, a ciência abandonou a filosofia; nesse movimento, a sabedoria dissociou-se do amor e a razão deixou a sabedoria, divorciando-se do coração que ela já não escuta. A ciência tornou-se tecnologia fria, sem nenhuma ética. É essa a mentalidade que rege nossas escolas e universidades"(p.35).

"Se um dia tiver que escolher entre o mundo e o amor...Lembre-se: se escolher o mundo ficará sem o amor, mas se escolher o amor, com ele conquistará o mundo" Albert Einstein

quarta-feira, 12 de março de 2008

O FENÔMENO MAIS IMPORTANTE DA NOSSA EXISTÊNCIA “(...) O MAIOR DESTES É O AMOR": O DOM SUPREMO

“Todos nós, em algum momento, já fizemos esta pergunta: Qual é a coisa mais importante da nossa existência?
Queremos empregar nossos dias da melhor maneira, pois ninguém mais pode viver pela gente. Então, precisamos saber: para onde devemos dirigir nossos esforços, qual o supremo objetivo a ser alcançado?
Estamos acostumados a escutar que o tesouro mais importante do mundo espiritual é a fé. Nesta simples palavra se apóiam muitos séculos de religião.
Consideramos a Fé a coisa mais importante do mundo? Pois bem, estamos completamente errados.
“Ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei.”
(I Coríntios 13).
Paulo comparou a Fé com o Amor e concluiu: “(...) o maior destes é o Amor”. Deve ter sido muito difícil para Paulo dizer isto. Um homem costuma recomendar aos outros aquilo que, nele, é o ponto forte.
O amor não era o ponto forte de Paulo. Uma pessoa com senso de observação irá notar que, à medida que envelhecia, o apóstolo tornava-se mais tolerante, mais terno. Mas a mão que escreveu “ porém, o maior destes é o amor”, esteve muitas vezes manchada de sangue na juventude.
Além disso, esta carta aos coríntios não é o único documento a mostrar o Amor como o Dom Supremo. Todas as obras-primas do cristianismo concordam a este respeito. Pedro diz: “ acima de tudo, porém, tende amor intenso uns com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados’.
E João vai mais longe: “Deus é amor’. Podemos ler, também, em outro texto de Paulo: “o cumprimento da lei é o Amor”.
Por que Paulo disse isto? Nessa época, os homens procuravam chegar até o paraíso cumprindo os dez mandamentos - e as centenas de outros mandamentos que eles haviam fabricado tendo como base as tábuas da Lei. Cumprir a lei era tudo. Era mais importante, inclusive, que viver.
Então Cristo disse: eu vou mostrar a vocês uma maneira mais simples de chegar ao pai. Se vocês aprenderem isto, podem fazer centenas de outras coisas sem medo de ofender a Deus. Amor.Se vocês amarem, estão cumprindo a lei, mesmo que não tenham consciência disto.
Podemos verificar por nós mesmos que este conselho funciona.
Peguemos um mandamento qualquer: “amar a Deus sobre todas as coisas” . Eis o Amor. “ Não tomar seu santo nome em vão” Ousaríamos falar superficialmente de alguém que não amamos?
“Guardar domingos e festas”.
Não ficamos muitas vezes ansiosos, esperando o dia de encontrar com quem amamos para nos dedicarmos ao Amor? Então, se amamos Deus, o mesmo há de acontecer.
O amor exige que obedeçamos todas as leis de Deus.
Quando um homem ama, é desnecessário exigir que honre seu pai e sua mãe, ou que não mate. Para o homem que quer bem a seu próximo é uma ofensa exigir que não roube – Como poderia roubar quem ama? E seria supérfluo pedir que não levante falso testemunho – pois jamais faria isto, como seria incapaz de desejar a pessoa que o outro ama.
Portanto, “o amor é o cumprimento da lei”.
O amor é a regra que resume todas as outras regras.
O amor é o mandamento que justifica todos os outros mandamentos.
O amor é o segredo da vida.
Paulo terminou aprendendo isto, e nos deu, na carta aos coríntios acima citada a melhor e mais importante descrição do Dom Supremo.

Paulo nos diz que o amor é uma coisa composta de muitas outras.
Como a luz. Aprendemos na escola que, se pegarmos um prisma e fizermos com que um raio de sol o atravesse, este raio se divide em sete cores.
As cores do arco-íris.
Paulo então pega o amor e faz com que atravesse o prisma de sua sensibilidade, dividindo-o nos seus elementos.
Paulo nos mostra o Arco-íris do amor, como o prisma atravessado por um raio nos mostra o Arco-íris da Luz.
E quais são estes elementos? São virtudes das quais ouvimos falar todos os dias, virtudes que podemos praticar em qualquer momento de nossas vidas. O amor é composto de nove ingredientes: Paciência, Bondade, generosidade, delicadeza, entrega, tolerância, inocência, sinceridade. Estas coisas compõem o bem supremo, estão na alma do homem que quer estar presente no mundo e próximo a Deus. Nós sempre escutamos falar muito do Amor a Deus.
Mas cristo nos fala do Amor ao homem.
Nós buscamos a paz nos Céus.
Cristo busca a paz na Terra.
Existe apenas uma coisa mais importante que a felicidade: é a santidade. Isto não está ao nosso alcance. Mas está ao nosso alcance fazer os outros felizes. Deus colocou isto em nossas mãos, e não nos custa quase nada. Se olharmos com cuidado, verificaremos que não nos custa absolutamente nada.Mesmo assim, por que relutamos em alegrar nosso próximo? A felicidade não é um bem, que se multiplica em cativeiro, nem é nada que diminui quando se dá. Ao contrário, somente semeando felicidade é que conseguimos aumentar nossa cota.
“Você procura grandes coisas em sua vida?”, pergunta o profeta. “Não as procure”. Por quê? Porque não existe grandeza nas coisas. As coisas não podem ser maiores do que elas mesmas. A única grandeza que existe é na entrega proporcionada pelo amor.
Sei que é muito difícil abrir mão de uma recompensa.
Mas é muito mais difícil não buscar uma recompensa naquilo que fazemos.
Quase todo mundo, neste momento, está seguindo uma pista falsa para chegar até a casa da felicidade. Pensa-se muito em ter e receber, em exibir, em conquistar, em ser servido um dia pelos outros. Isto é o que a maior parte das pessoas chama de realização.
Realização, entretanto, é dar e servir. O que quiser ser maior entre todos vocês, disse Cristo, que sirva a seu próximo. Quem quiser ser feliz deve colocar no amor o seu encontro com a vida. O resto não tem importância
Deus é amor. Um amor que, ao nos penetrar, suaviza, purifica, e a tudo transforma.Afasta o que está errado, renova, regenera, reconstrói o interior do homem.
O poder da vontade não transforma o homem.
O amor transforma.
Devemos fazer com que as pessoas confiem em nós assim estaremos bem perto do Amor. Só vamos conseguir isto se confiarmos nas pessoas.Podem nos ferir por causa na nossa atitude inocente, não significa nada perto da alegria que vamos passar e sentir diante da vida, não será mais necessário carregar pesadas armaduras, incômodos escudos, armas perigosas. A inocência nos protege.
Só podemos ajudar alguém, se nele confiarmos. Pois o respeito pelos outros termina fazendo com que recuperemos o respeito por nós mesmos.
Se acreditarmos que uma pessoa pode melhorar, e esta pessoa sente que a consideramos igual a nos mesmos, terá ouvidos para nossas palavras. Acreditará que pode se tornar uma pessoa melhor.
O crescimento espiritual aplica as mesmas leis usadas pelo corpo e pela alma. Se um homem não exercita seu braço jamais terá músculos. Se não exercita sua alma, jamais terá fortaleza de caráter, nem ideais, nem a beleza do crescimento espiritual.
O amor não é um momento de entusiasmo.
O amor é uma rica, forte e generosa expressão de nossas vidas – a personalidade do homem em seu mais completo desenvolvimento.
E, para construir isto, precisamos de uma prática constante.
Lembre-se das palavras de Goethe: “O talento se desenvolve na solidão; o caráter no rio da vida”.
O talento se desenvolve na solidão; a prece, a Fé, a meditação, a visão clara da vida.Lembre-se aqui o Amor não foi definido, porque jamais isto pode ser feito.Foram abordados apenas aspectos.
A luz é muito mais que a soma de seus componentes – é algo que brilha, fulgurante, no espaço.
E o amor é muito mais que as soma de todos os seus ingredientes - è uma coisa viva, palpitante, divina.
Se misturarmos todas as cores do arco-íris, tudo que conseguimos criar é a cor branca – não conseguimos fazer a luz.
Portanto tente livrar-se do preconceito de que a busca espiritual existe por acaso, ou capricho, ou por nosso gosto por mistério. Ela está ai por causa de uma lei natural – ou melhor, espiritual, porque é uma lei divina. Edward Irving visitava um menino que estava morrendo. Ao entrar no quarto, colocou a mão na testa do garoto e disse: “Garoto, Deus te ama.”
Não disse mais nada. Saiu em seguida.
O garoto levantou-se, chamou todas as pessoas da casa, e gritava: Deus me ama! Deus me ama!A mudança foi completa; a certeza de que deus o amava lhe deu forças, destruiu o que havia de mal, e permitiu sua transformação.
Da mesma maneira, o amor derrete o mal que existe no coração de um homem, e o transforma em uma nova criatura – paciente, humilde, tolerante, gentil, entregue, sincera.
Não existe nenhuma outra maneira de conseguir amar – e tampouco há qualquer mistério sobre isto. Nós amamos os outros, amamos a nós mesmos, amamos nossos inimigos, porque, primeiro, fomos amados por Ele (Deus)”.
Texto retirado do livro O DOM SUPREMO de Henry Drummond

Nenhum comentário: