Google+ Followers

porque convergimos e integramos com AMOR, VERDADE, RETIDÃO, PAZ E NÃO-VIOLÊNCIA

dedicamos este espaço a todos que estão na busca de agregar idéias sobre a condição humana no mundo contemporâneo, através de uma perspectiva holística, cujos saberes oriundos da filosofia, ciência e espiritualidade nunca são divergentes; pelo contrário exige-nos uma postura convergente àquilo que nos move ao conhecimento do homem e das coisas.
Acredito que quanto mais profundos estivermos em nossas buscas de respostas da consciência melhor será para alcançarmos níveis de entendimento de quem somos nós e qual o propósito que precisaremos dar as nossas consciências e energias objetivas e sutis para se cumprir o projeto de realização holística, feliz, transcendente, consciente e Amorosa.

"Trata-se do sentido da unidade das coisas: homem e natureza, consciência e matéria, interioridade e exterioridade, sujeito e objeto; em suma, a percepção de que tudo isso pode ser reconciliado. Na verdade, nunca aceitei sua separatividade, e minha vida - particular e profissional - foi dedicada a explorar sua unidade numa odisseia espiritual". Renée Weber

PORTANTO, CONVERGIR E INTEGRAR TUDO - TUDO MESMO! NAS TRÊS DIMENSÕES:ESPIRITUAL-SOCIAL-ECOLÓGICO

O cientista (psicólogo e reitor da Universidade Holística - UNIPAZ) PIERRE WEIL (1989) aponta os seguintes elementos para a falta de convergência e integração da consciência humana em geral: "A filosofia afastou-se da tradição, a ciência abandonou a filosofia; nesse movimento, a sabedoria dissociou-se do amor e a razão deixou a sabedoria, divorciando-se do coração que ela já não escuta. A ciência tornou-se tecnologia fria, sem nenhuma ética. É essa a mentalidade que rege nossas escolas e universidades"(p.35).

"Se um dia tiver que escolher entre o mundo e o amor...Lembre-se: se escolher o mundo ficará sem o amor, mas se escolher o amor, com ele conquistará o mundo" Albert Einstein

segunda-feira, 7 de junho de 2010

A VIRTUOSA E DIFÍCIL TRAVESSIA ENTRE A REALIZAÇÃO E A AUTOREALIZAÇÃO




Todos querem se realizar e ser feliz de uma forma ou de outra: no casamento, no trabalho, na vida social, no plano político, no meio acadêmico etc. Mas, o que poucos sabem é que a realização simplesmente é o ponto de partida para algo maior essencial e invisível. Nesse contexto, o caminho é estreito e a porta pequena (é semelhante à trajetória dos espermatozóides): poucos alcançam a realização almejada e desejada – plenamente! A maioria fica no meio do caminho. É porque nos desviamos com as propostas, avisos, convites e sugestões utilitárias subliminares.

Uma multidão inconsciente segue na escuridão em busca de uma luz que a oriente para o destino certo e correto. E nesse processo de busca inconsciente de uma realização plena nos contentamos com a realização parcial e pequena. O grande pedaço da realização fica intocável a espera da energia adequada e concentrada para o sucesso real. E assim nos distraímos psicologicamente com um mundo de prazeres e afazeres de segundo plano, de segunda importância e de pequeno mérito. Perdemos desse modo a noção de prioridade e identidade na busca da realização que de fato nos preencha e nos encante de vez. E por isso mesmo, passamos acreditar que o consumo de bens e qualidades externas é o parâmetro principal a ser perseguido, como referência, a qualquer custo.

Nos entregamos de corpo e alma para alcançar esse objetivo menor.

Uma vida inteira se passa na busca da realização que antecede e é interrompida quase sempre na morte certa sem ser alcançada de fato. Nesse sentido, a maioria persegue a realização visível e possível dentro dos padrões normais e culturais entre o nascimento e a morte física do ser. As tentativas de mudanças de percurso são variadas e sofridas de acordo com a sociedade e a cultura herdada dos antepassados. Nos tornamos cativos, portanto, da beleza, do sucesso, do poder, do sonho, da novidade e da esperança de uma realização calcada em bases materiais, sociais e culturais moldadas pelo tempo e lugar. Inevitavelmente acabamos por definir os objetos do desejo, no lugar da felicidade plena, como metas a serem alcançadas e que reflitam o esforço de chegada e conquista. E raros são aqueles que se aventuram buscar por outra avenida diferente na louca corrida de prazeres, compensações e competições desenfreadas.

A medida que o tempo passa nossas energias vão se acabando junto com os cabelos brancos acumulados. Os bens e as qualidades conquistadas vão ficando para trás nas lutas entre classes, religiões, ideologias, filosofias, crenças, culturas e organizações corporativas. Acreditamos que sairemos vencedores nos conflitos projetados inconscientemente. Aprendemos acumular no futuro o que no passado desejamos conquistar como realização: carros, motos, sitios fazendas, poupanças, viagens, emoções, momentos “felizes” etc.

Quanto mais acumulamos mais vazios nos tornamos daquilo que é essencial para as nossas vidas. E esse vazio aumenta quando a realização não se torna de fato presente no aqui e agora. E por isso nos esquecemos de qual realização devemos apostar nossas energias e consciências. Ela já nos foi apresentada pelos costumes e hábitos da nossa época. Romper com esse paradigma cultural e existencial é o desafio que não estamos de todo consciente. Isto porque a verdadeira realização é ao mesmo tempo um caminho, uma verdade e uma vida de conquista e mérito pessoal: a autorealização sem perder de vista a nossa necessidade pessoal e a dos nossos semelhantes preservando a natureza e amando a beleza da criação humana.

Um desafio incalculável, poderoso e paradoxal!

Perguntaram ao Dalai Lama...

O que mais te surpreende na humanidade?

E ele respondeu:

“Os homens...Porque perdem a saúde para juntar dinheiro,

Depois perdem dinheiro para recuperar a saúde.

E por pensarem ansiosamente no futuro,

Esquecem do presente de tal forma que acabam

Por não viver nem o presente nem o futuro.

E vivem como nunca fossem morrer....

....e morrem como se nunca tivessem vivido”.

Bernardo Melgaço da Silva

Prof. e Pesquisador do Núcleo de Estudos Sobre Ciência, Espiritualidade e Filosofia – NECEF/URCA (Universidade Regional do Cariri)

HTTP://bernardomelgaco.blogspot.com

Nenhum comentário: