Google+ Followers

porque convergimos e integramos com AMOR, VERDADE, RETIDÃO, PAZ E NÃO-VIOLÊNCIA

dedicamos este espaço a todos que estão na busca de agregar idéias sobre a condição humana no mundo contemporâneo, através de uma perspectiva holística, cujos saberes oriundos da filosofia, ciência e espiritualidade nunca são divergentes; pelo contrário exige-nos uma postura convergente àquilo que nos move ao conhecimento do homem e das coisas.
Acredito que quanto mais profundos estivermos em nossas buscas de respostas da consciência melhor será para alcançarmos níveis de entendimento de quem somos nós e qual o propósito que precisaremos dar as nossas consciências e energias objetivas e sutis para se cumprir o projeto de realização holística, feliz, transcendente, consciente e Amorosa.

"Trata-se do sentido da unidade das coisas: homem e natureza, consciência e matéria, interioridade e exterioridade, sujeito e objeto; em suma, a percepção de que tudo isso pode ser reconciliado. Na verdade, nunca aceitei sua separatividade, e minha vida - particular e profissional - foi dedicada a explorar sua unidade numa odisseia espiritual". Renée Weber

PORTANTO, CONVERGIR E INTEGRAR TUDO - TUDO MESMO! NAS TRÊS DIMENSÕES:ESPIRITUAL-SOCIAL-ECOLÓGICO

O cientista (psicólogo e reitor da Universidade Holística - UNIPAZ) PIERRE WEIL (1989) aponta os seguintes elementos para a falta de convergência e integração da consciência humana em geral: "A filosofia afastou-se da tradição, a ciência abandonou a filosofia; nesse movimento, a sabedoria dissociou-se do amor e a razão deixou a sabedoria, divorciando-se do coração que ela já não escuta. A ciência tornou-se tecnologia fria, sem nenhuma ética. É essa a mentalidade que rege nossas escolas e universidades"(p.35).

"Se um dia tiver que escolher entre o mundo e o amor...Lembre-se: se escolher o mundo ficará sem o amor, mas se escolher o amor, com ele conquistará o mundo" Albert Einstein

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Pensamento para o Dia 17/02/2010



“Vinte marteladas podem não ter êxito em quebrar uma pedra; a vigésima-primeira pode quebrá-la. Mas, isso significa que os vinte golpes anteriores foram em vão? Não, cada um dos vinte golpes contribuiu com sua parte para o sucesso final. O resultado final foi o efeito cumulativo de todos os vinte e um golpes. Preencha cada momento de sua vida com amor por Deus. Então, as más tendências não prejudicarão seu caminho. O propósito de qualquer prática espiritual é a aniquilação da mente e, no futuro, alguma boa ação terá sucesso em aniquilá-la completamente. Esse triunfo é o resultado de todas as boas ações feitas no passado. Assim, nunca desista e lembre-se que nenhuma boa ação será um desperdício!”
Sathya Sai Baba

---------------------
“Quando alguém de cujo comportamento você não goste chegar perto de você, não há necessidade de procurar falhas. Não há motivo de rir ou mostrar seu desprezo. Basta continuar a fazer seu trabalho, impassível a sua chegada. Que siga seu caminho, deixe-o em paz. Essa é a atitude de “Udaseenabhava”, a atitude da simplicidade. Quando você praticar e atingir esse estado de espírito, você vai ter o amor imutável de Deus. Essa atitude lhe confere paz, autocontrole e pureza da mente duradouros.”
Sathya Sai Baba

2 comentários:

Lara disse...

Bernardo,
como passar do pensamento/ideia para o pensamento/energia??
Venho acompanhando seu blog e alguns dos seus textos são verdadeiros presentes, mas essa questão ficou incerta para mim.
Obrigada.
Bom dia pra ti.

Bernardo Melgaço disse...

Prezada Lara,

Obrigado por ter comentado no meu blog. Quanto a passagem do pensamento idéia para o pensamento energia é uma realização através da contemplação da consciência, ou seja, a espreita de si mesmo por meio de uma perseverança implacável. Temos que partir da hipótese de que todo pensamento antes de se configurar como idéia ou raciocínio é uma forma de energia - pura! Em outras palavras, a energia do pensamento antecede a idéia no processo de construção do conhecimento e da realidade. Daí a necessidade do silêncio e da meditação, ou distanciamento dos pensamentos. Exige do sujeito uma disciplina para que deixe de se identificar com as formas-pensamentos e assim perceber os estados de energia da consciência. Isso implica dizer, que nossos pensamentos vibram em faixas de frequência muito sutis. A razão vibra numa frequência diferente da intuição. O limite entre a razão e a intuição é o mesmo entre a idéia e a energia pura. A prática da Ioga muito ajua quem inicia nesse processo de audescoberta e autoconhecimento.

Um abraço,

Bernardo