Google+ Followers

porque convergimos e integramos com AMOR, VERDADE, RETIDÃO, PAZ E NÃO-VIOLÊNCIA

dedicamos este espaço a todos que estão na busca de agregar idéias sobre a condição humana no mundo contemporâneo, através de uma perspectiva holística, cujos saberes oriundos da filosofia, ciência e espiritualidade nunca são divergentes; pelo contrário exige-nos uma postura convergente àquilo que nos move ao conhecimento do homem e das coisas.
Acredito que quanto mais profundos estivermos em nossas buscas de respostas da consciência melhor será para alcançarmos níveis de entendimento de quem somos nós e qual o propósito que precisaremos dar as nossas consciências e energias objetivas e sutis para se cumprir o projeto de realização holística, feliz, transcendente, consciente e Amorosa.

"Trata-se do sentido da unidade das coisas: homem e natureza, consciência e matéria, interioridade e exterioridade, sujeito e objeto; em suma, a percepção de que tudo isso pode ser reconciliado. Na verdade, nunca aceitei sua separatividade, e minha vida - particular e profissional - foi dedicada a explorar sua unidade numa odisseia espiritual". Renée Weber

PORTANTO, CONVERGIR E INTEGRAR TUDO - TUDO MESMO! NAS TRÊS DIMENSÕES:ESPIRITUAL-SOCIAL-ECOLÓGICO

O cientista (psicólogo e reitor da Universidade Holística - UNIPAZ) PIERRE WEIL (1989) aponta os seguintes elementos para a falta de convergência e integração da consciência humana em geral: "A filosofia afastou-se da tradição, a ciência abandonou a filosofia; nesse movimento, a sabedoria dissociou-se do amor e a razão deixou a sabedoria, divorciando-se do coração que ela já não escuta. A ciência tornou-se tecnologia fria, sem nenhuma ética. É essa a mentalidade que rege nossas escolas e universidades"(p.35).

"Se um dia tiver que escolher entre o mundo e o amor...Lembre-se: se escolher o mundo ficará sem o amor, mas se escolher o amor, com ele conquistará o mundo" Albert Einstein

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

AFINAL, POR QUE DEUS OU CONSCIÊNCIA CÓSMICA TRANSCENDENTAL? AS ESCOLAS DA RAZÃO E DA FÉ


Escolhi esse tema porque acho oportuno nos dias de hoje apontar os descaminhos onde a filosofia bate cabeça com a ciência e a ciência bate cabeça com a religião. E os três batem cabeça com os Poderes (o oficial e o paralelo organizado, armado e corporativo) do Estado e das Organizações Ilegais. E a causa segundo PIERRE WEIL (UNIPAZ) é essa:

"A filosofia afastou-se da tradição, a ciência abandonou a filosofia; nesse movimento, a sabedoria dissociou-se do amor e a razão deixou a sabedoria, divorciando-se do coração que ela já não escuta. A ciência tornou-se tecnologia fria, sem nenhuma ética. É essa a mentalidade que rege nossas escolas e universidades"(p.35).

A expressão “Deus” pode ser entendida por cada um de vários modos e níveis de consciência. Assim, podemos entender Deus como epifenômeno transcendental, ou seja, Ele existe enquanto fenômeno supra-humano, ou seja, paralelo, independente, latente, imanente ou presente na vida psico-bio-ontológica. Podemos entendê-Lo apenas como um conceito, uma idéia de um ser perfeito, justo e provedor das nossas carências e necessidades, mas para isso precisamos suplicar direta ou indiretamente constantemente a sua intervenção em nosso mundo. Podemos entendê-Lo como um Valor Supremo, um Bem Incomum (transcendente ao bem comum que é proveniente do trabalho socialmente necessário) e que se manifesta inesperadamente quando nos dedicamos ou nos disciplinamos espiritualmente (os orientais denominam essa disciplina de SADHANA) em querer encontrá-Lo, compreendê-Lo (EINSTEIN afirmou: “o Velho Me diz interiormente....” – O Velho para ele era a Inteligência Cósmica da Natureza) e amá-Lo mais do que tudo que existe nessa Terra.

Ele É, portanto, tanto Criador quanto Criatura que evolui através de uma infinidade de Leis Naturais e Cósmicas criadas por Ele mesmo: na vida, no cosmo e na existência. Evoluímos Nele e com Ele. Alguns duvidarão dessa minha visão de Deus. É natural, pois todo ser humano carrega a beleza e a grandeza de ser e não ser ao mesmo tempo; de duvidar e ter fé em si mesmo profundamente (em Deus); de cair e se elevar; de amar ou odiar; de ir além de si mesmo ou ficar estagnado nas crenças e ideologias de sua época.

Nesse sentido, Deus nunca poderá ser objetivado, no máximo especulado ou hipotetizado. Os cientistas enraizados e matriculados na escola da razão rejeitarão a variável da consciência-de-Deus em suas equações matemáticas e científicas. Nesse contexto, a razão dessa escola é superior, suprema e inquestionável. Pois, é o Método – que significa na língua grega CAMINHO! Ele tem que ser respeitado e seguido como um dogma religioso – não se pode afastar do Caminho racional nunca! Então, nos perguntamos se a ciência moderna (oficial) seria o único caminho possível e provável de se aventurar nas descobertas das Leis Naturais (sociais, psicológicas e ontológicas). Se admitirmos que a ciência (ou mesmo a filosofia e a religião tem de fato a primeira e a última palavra sobre o Grande Enigma de quem somos nós, de onde viemos e para onde vamos) estamos abandonando a responsabilidade pessoal de compreendermos e exercitarmos o caminho da escola da fé e da filosofia perene (segundo A. Huxley de uma consciência cósmica como um epifenômeno transcendental habitando os mundos, inclusive os universos paralelos (que a física moderna já admite matematicamente a existência de pelo menos doze realidades paralelas - o mundo tridimensional é apenas um deles!)). E se acreditarmos que a ciência (principalmente a física moderna, astrofísica e astrobiologia (na sua compreensão de expansão e contração dos níveis de realidade), e a biologia) está se aproximando da verdade maior cósmica , podemos inferir como consequência que existem estratos de consciência formando níveis diferenciados de consciência associados aos estratos de energias que dão forma e estruturam os vários mundos criados nas dimensões quânticas e infra-biológicas da matéria.

É, portanto, a nossa evolução da consciência quem vai decidir que mundo queremos habitar, ver, aprender e evoluir. Somos responsáveis (cada um de nós pessoalmente ) por tudo que criamos (p.ex.: mentes robotizadas pela massificação de valores e idéias de consumo sem limites pela mídia capitalista), transformamos (p.ex.; os super-vírus, super-resistentes aos anti-bióticos conhecidos já são uma realidade que assusta milhões de indivíduos doentes no mundo inteiro) e destruímos (p.ex.: estudos tem demonstrado que está havendo uma erosão nas orlas marítimas de todos os continentes (os oceanos estão avançando e “comendo” enormes pedaços de terra) e os pólos do planeta estão derretendo assustadoramente em função do aquecimento global) em nossa caminhada (exterior ou interior) evolutiva de desenvolvimento da inteligência, sensibilidade e experiências (objetivas, subjetivas e profundamente interiores).

Por isso, a crença na "transparência" imediata da realidade, como se o real tivesse que estar necessariamente submetido ao "tribunal" dos sentidos humanos - muito bem expressa na frase de Max Planck: "o real é o mensurável" - tolhe a imaginação humana, restringindo-a a estereótipos. Para sairmos [mudarmos o paradigma existencial] destes estereótipos necessitamos reformar o nosso ser, nossos posicionamentos, nossas atitudes, em concordância com uma vontade de colocar a busca da verdade acima de qualquer interesse material.

As escolas da fé em tempos antigos eram conhecidas pelos nossos antepassados através da Tradição (baseada numa contemplação de si e uma auto-investigação implacável de si mesmo – Eu Superior!). Na escola da fé conseguimos distinguir e diferenciar a felicidade do conforto, a vontade do desejo, o amor da paixão, a coragem da covardia, a fé genuína e forte da crença infundada e fraca. O medo é o principal fator que impede nossa reconstrução da realidade e nossa "matrícula" na escola da fé [genuína] (1). Um outro obstáculo é a forte convicção de que o conhecimento racional (sem a disciplina impecável do autoconhecimento sensível) é o nosso limite máximo de compreensão e evolução. O medo da mudança acarreta uma contínua repetição de atividades, argumentos e atitudes condicionadas. Num círculo vicioso ficamos presos à falsa identificação de nós mesmos com nossas crenças. O impulso de mudança do ser consegue romper com a cadeia viciosa de hábito, argumento e crença. A mudança requer uma descontinuidade nos hábitos básicos de identificação de nossa identidade real, de pensamento e de sentimento. Nessa mudança a Natureza (Physus grega) nos "cobra", que para transcendermos, temos que descobri-La: "decifra-Me ou Te devoro". Essa descoberta não é só o acúmulo de informações objetivas sobre as regularidades do mundo exterior. Ela pressupõe o autoconhecimento sensível através de métodos diretos que atuam na fonte da consciência humana, onde o Amor Incondicional e Sagrado convive com o medo da morte racionalizada: o caminho das ciências tradicionais da fé e da "sutilização da sensibilidade".

Hoje, vivemos perplexos: que mundo estamos criando onde o Estado, as instituições e as organizações em geral não conseguem equilibrar o montante dos problemas surgidos dia-a-dia com soluções duradouras e eficazes, p.ex.: as drogas recentes como Crack e a violência urbana e internacional: p.ex.; homens matam suas queridas namoradas (sem um motivo qualquer), mulher assassinada por uma bala perdida quando carregava sua filha no colo (num tiroteio ou guerra entre traficantes e policiais - RJ); três jovens assassinados friamente, por traficantes, quando retornavam e estacionavam o carro em frente as casa onde moravam (no RJ)? A lista é grande contando com os massacres na África, Haiti, Iraque, Palestina, World Trade Center, a chacina provoca pelos governos totalitários etc. E os horrores das duas grandes guerras mundiais não podem mais ser colocadas de lado. Infelizmente progredimos muito em termos de tecnologia e ciência material, mas no que se refere a evolução (ética do caráter) das ciências ontológicas e humanas estamos engatinhando na escuridão cósmica da ignorância de si mesmo (O Ser Superior em cada um de si transcendental): Deus é cósmico e transcendental – por isso as escolas da razão não conseguem tornar esse fenômeno um “objeto” provável pelo Método da Ciência Dominante Moderna. Por isso, Deus não é, e nunca será, um objeto de estudo da Ciência Moderna (oficial) Unilateral Racional.

Felizmente estão surgindo cientistas sérios e holísticos que ousam sair do discurso da “mesmice” dogmática ou descrente para irem além da escola e caminho da razão e assim descobrirem novos mundos e leis naturais e cósmicas jamais imaginadas pela ciência e caminho dominante da razão e suas escolas de saber, são eles: Físico Ami Goswami, Físico Fritjof Capra, Ex-Física da NASA Barbara Ann Brenam, Médico e Pesquisador Gerard Gerber, Psicólogo e Pesquisador Pierre Weil, Médico e Pesquisador Deepak Chopra, Pesquisador e Biólogo Sheldrake e vários outros cientistas que se juntaram para lançar o filme e livro “QUEM SOMOS NÓS?”. E com certeza daqui algumas décadas ou no máximo um século a Ciência Racional terá evoluída para a Ciência da Intuição Holística (onde tudo: pessoas, fatos, fenômenos naturais e acontecimentos do senso comum (p.ex.: a experiência sobrenatural de quase-morte) estarão interligados numa grande teia de relações concretas e sutis, físicas e metafísicas, e a física quântica tanto quanto a biologia e a astrobiologia-astrofísica terão um papel importante para compreendermos as leis Cósmicas da Vida criadas por um Ser Superior muitas das vezes incompreendido: Deus (uma Consciência Cósmica e Transcendental latente, em sua maioria, em cada um de nós)!

Por isso, recomendo a leitura do mestre espiritual indiano SAI BABA porque suas palavras sábias encontram ressonância em minhas experiências místicas-espirituais em 1988 – RJ. Ele é um verdadeiro AVATAR (um ser Iluminado, no entanto, ainda muito incompreendido no mundo Ocidental Racional-Cristão). E por incrível que pareça seus SÁBIOS aconselhamentos não entram em conflito, em hipótese alguma, com os SÁBIOS ensinamentos de Jesus Cristo.

--------------------------------------
(1) WEIL, PIERRE, ("A resistência ao transpessoal e a abordagem
holística do real", THOT, nº 51, 1989,pp. 35-39), aponta os
principais tipos de medo: medo da dissolução do eu; medo do
desconhecido; medo da mudança; medo de perder; medo de submeter-se a um mestre; medo de alucinação; medo de sofrer; medo de perder o controle.


Bernardo Melgaço da Silva

Nenhum comentário: